Se a linguagem serve como meio de comunicação, por que dificultar? | Jornal Plural
24 nov 2020 - 17h41

Se a linguagem serve como meio de comunicação, por que dificultar?

Palavras são meios de comunicação, são pontes entre a mensagem que se quer passar e seu leitor, ouvinte, espectador são ferramentas de trabalho de quem escreve, produz e gostaria de ser compreendido

A língua é uma das nossas expressões de cultura, é um símbolo que expressa quem somos. Nada é tão rico quanto o “oxente” de Ariano Suassuna, brasileiro orgulhoso da sua terra citava Cervantes para nos lembrar o quanto o português é sonoro e musical. E tudo bem se você discorda dele, mas conhecer a riqueza da nossa linguagem e suas variações territoriais é parte do trabalho da Comunicação, da Publicidade e do Marketing.

Palavras são meios de comunicação, são pontes entre a mensagem que se quer passar e seu leitor, ouvinte, espectador são ferramentas de trabalho de quem escreve, produz e gostaria de ser compreendido. Não basta apenas ser lido, é importante compreender.

A língua já foi território de dominação para diferenciar as chamadas classes sociais, religiosas, ou separar a médicos de pacientes. Ela já foi responsável por categorizar intelectuais e até “inteligências”, ela pode ser ferramenta de preconceito, racismo e exploração. E se resolvemos rediscutir o mundo, precisamos pensar sobre a linguagem e o quão acessíveis queremos ser.

Se você cria um texto, um artigo, peça publicitária, um site, você gostaria de ser compreendido, e em geral essa conexão deixa de acontecer quando exageramos no estrangeirismo, em palavras que só fazem sentido para um pequeno nicho e não facilita o consumo da mensagem. Muitas expressões são resquícios da dominação e da categorização, que não precisamos fazer e que vai contra nosso objetivo de comunicar.

Precisamos incluir um ponto nesta discussão e entender que falhamos quando não valorizamos a riqueza da nossa linguagem, traço da cultura e do povo. Quando vemos a divulgação de vagas recheadas de estrangeirismos e como comunicadores deixamos passar, deixamos também de lado o acolhimento da cultura local, afinal a vaga pode exigir inglês, mas o contratado é brasileiro. Ele pode aprender sobre a cultura da sua multinacional, e a sua multinacional pode aprender sobre a cultura do país onde decidiu atuar? O mesmo pensamento vale para nossos departamentos, dentro das empresas, cheios de expressões que ninguém mais é obrigado a entender e que se as pessoas não entendem, não nos serve.

A geopolítica da fala

Quando não olhamos para esse abismo, seguimos repetindo os mesmos rituais. O cerne do debate se direciona sobre o uso excessivo de terminologias inglesa por questões óbvias e históricas. Dentro da ordem global na atualidade, não só o domínio e influência do inglês parece essencial, porém a supremacia político-econômica estabelecida faz com que grande parte das nossas referências venha dos países do norte descritos nesse idioma.

Em uma avaliação prática e empírica, passamos a não questionar, apenas incorporando o estrangeirismo em um processo colonial. Sentimos vergonha de “abrasileirar” o requinte importado ou simplesmente encontramos um mecanismo para elevar nosso grau de conhecimento quando pronunciamos “KPI’s” no lugar de desempenho no meio de uma reunião de trabalho. No fundo, podemos traçar uma analogia ao consumo e dizer que o que é importando tem mais qualidade.

Basta olhar para a constatação do dicionário Collins, que elegeu a palavra “lockdown” como a palavra de 2020. O termo foi mencionado mais de 250 mil vezes ao longo deste ano, sendo que em 2019 só foi citado em 4 mil ocasiões. Quem não se deparou com essa palavra de forma exaustiva pelos noticiários e redes sociais?

Não somos hipócritas em admitir que a tradução de termos e conceitos pensados em determinado idioma não sejam um real desafio. E aí que mora o convite para aproximarmos os diálogos e as realidades. Em um Brasil que 95% dos brasileiros não falam inglês, segundo levantamento feito pela British Council no ano passado, a de se pensar profundamente sobre o uso de “lockdown” a cada manchete. Afinal, não vestimos, moramos, e temos todos os mesmos hábitos e oportunidades (pano pra manga esse debate).

Termos e traduções

Personagens de Divertidamente.

Ao mesmo passo em que em determinadas áreas, como nesse texto nos referimos à comunicação, ignoram a necessidade de traduzir ou simplesmente seguem o bonde, somos um dos poucos países que traduzem títulos e personagens de filmes. E, nessa parte enchemos a boca pra dizer que há exemplos que dão orgulho de bater no peito e dizer: “aqui é Brasil”.

A lista pode ser bem longa, e essa é apenas uma primeira levantada de poeira em um tema tão espinhoso. Vamos citar, então, apenas um exemplo da animação da Disney Inside Out, que conhecemos com Divertidamente. Uma tradução genial, se considerarmos o contexto da história em que os personagens são sentimentos que se manifestam na mente de uma garota.  São aspectos sutis que nos fazem perceber a necessidade de buscar essa aproximação como forma de fortalecer nossas raízes e identidade.

Comunicação inclusiva

Como citado, nossas influências comunicacionais derivam grande parte de uma escola norte-americana. E a última reflexão proposta por aqui é uma breve lista de termos que corriqueiramente observamos em nossas rotinas, os quais simplesmente poderíamos adotar recursos da nossa amada língua portuguesa. Vamos lá:

  • Insights = Lampejo; ideias; intuições;
  • E-commerce = Loja virtual;
  • CTA (Call-To-Action) = Chamada para Ação (CPA);
  • Ebook = Livro virtual;
  • Ads = Anúncios;
  • Leads = Clientes;
  • Lives = Ao vivo;
  • Webinar = Seminário virtual.

Alguns até identificamos como sinônimos, a proposta aqui é aplicar como primeira opção. Vamos começar?

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

15 comentários sobre “Se a linguagem serve como meio de comunicação, por que dificultar?

  1. Excelente análise. Além das palavras estrangeiras, também adicionaria como ponto de atenção o uso frequente de abreviações das mesmas. É muito comum, principalmente no mercado de marketing e publicidade, lermos termos como ASAP (as soon as possible), YTY (year to year) e YTD (year to date). Neste caso, a finalidade principal da mensagem, que é ser compreendida, acaba se agravado ainda mais. Concordo com o texto, a boa comunicação deve sempre vir antes.

  2. Corrijam esse “expectador” na gravata e no texto para “espectador”. O primeiro “espera”, o segundo “espia”, “vê”, que é o sentido empregado no texto. Parabéns pelo artigo.

  3. Os exageros são chatos, discussão muito válida. A língua é viva e em constante mudança. O q é o português brasileiro, se não uma mistura do português de Portugal com linguas e dialetos africanos, indígenas, orientais, europeus. Agora nos chegam tb as questões de gênero. Tudo muda e nos desafia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias