15 out 2021 - 14h02

Por que ser professor no Brasil

Ser professor é um ato Político, no sentido grego do termo: um encontro entre pessoas iguais em direitos, em um espaço de liberdade com responsabilidade

Porque não há outra coisa mais importante a fazer do que dividir com as crianças e os jovens as ideias e as ferramentas de construção de uma utopia de país melhor. E é na escola – o espaço de construção e de formação dos hábitos da cidadania – o melhor lugar e tempo para fazer isso. O professor, como lembrava a filósofa Hannah Arendt, é o adulto responsável por apresentar o mundo às crianças e jovens e por dizer o que é importante manter e o que é interessante mudar. Dizer não no sentido de ordenar, doutrinar, como gostam de falar hoje. Dizer para que as crianças ouçam alguém que já está aqui há bastante tempo dando um testemunho de sua experiência no mundo. Esse é, aliás, o sentido que Hannah Arendt dá ao termo responsabilidade. Para ela, muito adulto se faz professor achando que precisa apenas transmitir conteúdos e não testemunhos; que basta repetir o que a Humanidade produziu nos últimos séculos, mas não tomar posição em relação a isso, como se as crianças fossem capazes de aprender como uma tábua rasa, sem referência ou sem o compromisso dos que estão aqui. Não. O papel do professor é, antes de tudo, ser o adulto que insere os novos na nave chamada mundo, apontando os instrumentos de navegação, os cursos possíveis e os riscos inerentes, além das limitações da máquina e suas virtudes incomparáveis. Também cabe ao professor navegar na frente dos alunos, mostrar que o que ensina ele também aprendeu e que se hoje tem proficiência, houve tempo em que sua mão também tremia e ele também cometia erros mas, por sorte, teve um professor, um adulto responsável que mostrou a ele o que deveria fazer e o que poderia inventar depois de saber o que deveria fazer. E só assim, respeitando o que existe e sabendo que tudo pode ser mudado – e até fundado de novo, reinaugurado sob nova direção – é possível ter confiança em um mundo melhor. Confiança é diferente de esperança. Na esperança torcemos que algo aconteça e então esperamos, cheios de medo, que é o sentimento de que algo não ocorra como desejamos. Na confiança – laço construído entre as pessoas – dividimos a fé de que, não importa o que aconteça, continuaremos firmes no nosso propósito de viver melhor.

Ser professor é compreender essas tarefas e exerce-las como quem veste uma segunda pele. Não como sacrifício ou como missão, como é comum dizer, equivocadamente. O sacrifício é uma negação do desejo e ser professor é uma das coisas mais prazerosas que existem; a missão é uma tarefa auto imposta, como o pagamento de algo ou por algo que se espera receber em troca. Não. Ser professor é um ato Político, no sentido grego do termo: um encontro entre pessoas iguais em direitos, em um espaço de liberdade com responsabilidade – onde a voz é o guia e a garantia da não violência –, a memória das experiências vividas o menu de ações conjuntas e a confiança em um mundo melhor – cuidando do que é bom e mudando o que pode ser melhor – o propósito mais importante.

Tudo isso pode ser distante da realidade brasileira. Mas a realidade é sempre uma foto de momento. Como uma nuvem no céu. Ser professor é ter a capacidade de soprar, dando vida a propósitos desejados. Não negar essa possibilidade e não fugir dessa responsabilidade parece ser o que menor nos define.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Lições sobre a “cura da Covid-19”

Supondo que o “estudo” tivesse sido conduzido com rigor científico, e que os números apresentados, para cada um dos grupos, fossem o retrato de uma retidão metodológica, certamente não poderíamos atestar, nem de longe, que as condutas bioéticas foram seguidas

Marcelo M. S. Lima

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br