3 out 2021 - 9h00

Paulo Freire ainda alimenta esperança para educação

Mas seu pensamento também tem sido mentirosamente desqualificado por alguns, que sequer leram seus livros

Dias atrás navegando pela internet deparei-me com centenas de vídeos sobre o educador Paulo Freire. Alguns buscando explicar suas obras, comentando seu pensamento, outros criticando, atacando, enfim deixando nítida a intenção de rebaixar o educador, o seu pensamento, assim como aqueles que estudam sua obra.

Aparentemente parece fácil falar de um falecido, ainda que eternizado. Seja para elogiar ou criticar. Em um caso ou no outro o elogiado ou criticado não poderá se manifestar. Alguns podem até considerar isso covardia. Por isso, ainda que ironicamente, até recomenda-se aos que se encontram muito irritados irem ao cemitério e descarregar sua raiva sobre os túmulos. Assim muitos conflitos e problemas poderão ser evitados. Mas por alguma razão ou razões, Paulo Freire incomoda, desperta interesse, admiração, raiva, entre outras reações.

Como eu estava pesquisando vídeos, busquei alguns em que o próprio Paulo Freire se expressava. Encontrei uma entrevista na qual um entrevistador recolheu opiniões de rua, atendeu ligações e os participantes no auditório fizeram questionamentos. Um dos questionamentos recebidos por telefone indagava se Paulo Freire se considerava um educador comunista e o entrevistador acrescentou: por que o senhor acha que perguntas como essa acontecem?

Respeitosamente Paulo Freire respondeu. Inicialmente defendeu o direito de questionar. Considerando a pergunta absolutamente legítima. Recordou que por causa desse direito de perguntar é que foi exilado. Em seguida explicou que não era anticomunista no sentido medieval e afirmou claramente que também não era comunista, mas socialista e que acreditava na participação popular na transformação do mundo. Paulo Freire também foi indagado sobre o exílio e a ditatura, formação de professores, entre outros questionamentos.

Em uma das respostas comentou sobre o autoritarismo do regime militar que o considerou perigoso subversivo e até inimigo de Deus. Chegou a comentar esse último acréscimo, deixando claro que se tratava de uma invenção mentirosa. Em seguida argumentou que a ditadura não inaugurou o autoritarismo em nosso país, pois o Brasil foi inventado no autoritarismo de forma que ele se encontra entranhado na natureza mesma da nossa sociedade.

Os últimos acontecimentos de arrogância, desrespeito, ódio de classe que temos testemunhado, evolvendo inclusive quem é responsável por garantir que as leis sejam respeitadas, infelizmente parecem ser apenas mais um dos elementos que confirmam o que Paulo Freire afirmou na ocasião da entrevista citada anteriormente.

Talvez por isso Paulo Freire incomode tanto e ainda mais na comemoração do seu centenário. Afinal defendeu o direito de todos à educação, entre outros. E não apenas defendeu no campo das ideias, publicando obras com pensamentos complexos, passíveis de crítica, mas empenhou-se na prática e trouxe resultados, que certamente não agradaram e não agradam aqueles que se julgam superiores, ainda que a manutenção dessa suposta superioridade custe a negação de direitos fundamentais aos outros, principalmente os mais pobres.

Paulo Freire tem sido criticado e certamente valorizaria muito essas críticas. Mas seu pensamento também tem sido mentirosamente desqualificado por alguns, que sequer leram seus livros. O fato é que Paulo Freire continua sendo lido, estudado, recordado, praticado pelo que foi, por suas ideias, por aquilo que fez e produziu. Lembrar Paulo Freire alimenta a esperança do verbo esperançar. Por isso talvez, incomode tanto alguns.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

11 comentários sobre “Paulo Freire ainda alimenta esperança para educação

  1. Educadora foi a sra. Branca Alves de Lima, que criou a cartilha Caminho Suave, responsável pela alfabetização de milhões de crianças no Brasil. Paulo Freire não passou de um doutrinador que pregava uma ideologia asquerosa.

    1. Esse é um ensino tecnicista e impositivo de educação, aos moldes da Ditadura Militar em curso na época. Desconsiderava as diferentes inteligências e quem não se adequava era simplesmente marginalizado.

  2. Paulo Freire é a Dilma de calças.
    Um discurso rebuscado e sem sentido que fazia os ditos intelectuais aplaudirem mesmo percebendo nao ter sentido algum. Era o medo de ser taxado de ignorante.

    Pois foram!!!

  3. tachada
    substantivo feminino
    1.
    conteúdo de um tacho.
    “tachadas de caldo de cana para cozimento”
    2.
    POR EXTENSÃO
    tacho cheio.

  4. Agradeço aos que leram o artigo. Quanto às críticas, apenas confirmam que Paulo Freire foi e é importante, principalmente pelo que fez pela educação mundial. A ignorância e o autoritarismo não o suportam.

    1. Bem, o que vemos é uma geração que não sabe escrever, não sabe interpretar texto, que não gosta da leitura, e professores preocupados em doutrinar

  5. Grande Paulo Freire! Uma pena que nos tempos sombrios em que vivemos tem gente que idolatra o véio da havan mas critica Paulo Freire…

  6. Viva Paulo Freire. Viva a cultura popular!

    Ensinar não é doutrinar, pelo contrário, é uma forma de libertação. Mediar a construção de forma não bancária é revolucionário. Por isso esse educador foi (e é até os dias de hoje) tão massacrado. Alienar e fazer da educação e da escola formas de conformar a classe trabalhadora é muito mais fácil para quem quer apenas manter o status quo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br