Entrevista com o coronavírus | Jornal Plural
30 abr 2020 - 19h05

Entrevista com o coronavírus

SARS-COV 2, o vírus da pandemia, responde às dúvidas dos leitores

Quem melhor para dirimir suas dúvidas sobre a COVID-19 senão a grande estrela magnânima do século, o próprio vírus SARS-COV 2? Nossa equipe de jornalistas conseguiu uma entrevista exclusiva com a sensação do momento, onde ele responde às dúvidas mais comuns dos leitores brasileiros. Pudemos comprovar como esse vírus é agressivo. Não se assustem. Ou melhor, se assustem. E muito.

Eu posso descer com os meus filhos para brincar no playground por uma horinha, só para eles gastarem energia? – Rosângela, de Curitiba.

SARS-COV 2: – Não se preocupe com isso. Quando eles estiverem entubados em um hospital de campanha lotado, eles vão gastar bastante energia tentando arrancar ar dos pulmões tentando respirar. Próxima.

As raízes brancas dos meus cabelos já estão aparecendo, minhas sobrancelhas estão grossas como sanguessugas. Tudo bem se eu ir, por uma horinha só, no salão dar um trato no meu visual? – Michelle, RJ.

Claro que não, filha. Sua família não vai poder vê-la, mas saberá que você está linda dentro de um caixão lacrado feito de tábuas vagabundas sem pintar. E nem vão gastar com a tanatopraxia.

Eu queria abraçar uma pessoa com coronavírus, só para me infectar de uma vez e adquirir imunidade. Acha uma boa ideia? – Carla, SP.

Acho uma ótima ideia. Mas escolha uma pessoa que você ama, porque será a última vez que você abraçará alguém. Mais alguma?

Eu posso ir no bar se eu mantiver a distância correta de 2 metros para outro cliente? – Beto, PR.

Pode. Mesmo porque a tendência é, em breve, a distância diminuir. Você ficará 7 palmos distante do mundo dos vivos.

Você é um tipo de gripe comum e o que estão fazendo é ampliar sua letalidade para causar pânico na população. É correta essa afirmação? – Abraham, SP.

Comum é a vala onde todos vocês que acreditam nisso serão despejados pela caçamba de um caminhão sujo de terra.

Eu posso sair de casa se eu estiver de máscara e bem protegido? – Carlos, RJ .

Só se for para fazer algo essencial, como ir à farmácia, ao supermercado ou ao seu próprio enterro numa cova de terra batida com outros 50 corpos.

Eu não aguento ficar fechado dentro de casa. Preciso sair para a rua, nem que seja para levar meu cachorro passear. – Eduardo A., SP.

Ficar em casa fechado é ruim. Talvez seja melhor ficar lacrado dentro de um caixão num buraco feito por uma retroescavadeira.

Meus pés coçam de vontade de correr. Eu posso sair correr todos os dias na canaleta dos ônibus? – JB, Brasília.

Em breve você terá “coágulos misteriosos” que causam trombose e a consequente amputação dos membros extremos. Aí seus pés nunca mais irão coçar de novo, para sua imensa felicidade.


Como vocês devem ter percebido, o SARS-COV 2 não é muito afável. Por isso, lembrem-se de ficar isolados, bem protegidos e, de preferência, não irritem o vírus. Ele não vai com a nossa cara.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos:

Últimas Notícias