fbpx

Após dez dias com casos de sarna, presos são transferidos da delegacia de São José dos Pinhais

Compartilhe

Dez dias após a denúncia de um surto de sarna entre os detentos, a carceragem da Delegacia de São José dos Pinhais, foi esvaziada e interditada nesta segunda-feira (11). A sarna preocupava aos policiais, advogados dos presos e até ameaçava atingir imóveis vizinhos ao local.

A delegacia abrigava 55 presos (53 homens e 2 mulheres) e tinha capacidade para apenas 8 detentos. Todos eles foram retirados e levados ao sistema prisional, onde devem receber o tratamento para a doença e depois devem ser encaminhados para à prisão definitiva.

Os presos já condenados foram para a Penitenciária Central do Estado (PCE), em Piraquara. Outros detentos foram transferidos para comarcas de origem e para o Centro de Triagem 1. As duas mulheres foram encaminhadas para a Penitenciária Feminina.

O Conselho da Comunidade da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba – Órgão da Execução Penal destaca que a superlotação nas delegacias do Paraná é de 340% e essa situação contribui para a propagação de problemas de saúde entre os detentos.

A Delegacia de São José dos Pinhais agora deve passar por uma higienização e, segundo a Vigilância Sanitária, deve levar de 7 a 10 dias. Após esse período, o local poderá ser utilizado novamente.

OUTROS CASOS DE SARNA

O Conselho de Comunidade da Comarca da Região Metropolitana alerta que os surtos de sarna não se restringem apenas a São José dos Pinhais. De acordo com o órgão, o Centro de Triagem de Curitiba tem tido casos da doença. O local tem capacidade para 84 presos, mas abriga 241 detentos. Outras informações é de que faltam funcionários, O CT tem apenas três plantonistas, que se revezam no atendimento aos presos, famílias e advogados.